sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Alto da Bondade (Olinda), o bairro que surgiu no Monte Berenguer, às margens da Estrada da Linha


O Alto da Bondade começou a ser povoado a partir de 1954, a SIREL adquiriu as terras no Córrego da Bondade e Alto da Bondade e começou a vender os lotes. Foto: Jânio Odon.

CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIÁ-LAS.


Para contar a história do bairro do Alto da Bondade, deportamos ao passado  em busca da origem, não só desta comunidade, e sim de toda essa região que nos cerca. Encravadas no antigo Monte Berenguer, com uma planície de  quatro quilômetros de extensão, que começa em Águas Compridas e só termina na BR-101 Norte (próximo a Boite Bariloche), cortada pela  secular Rua da Linha e dividindo espaço com outras comunidades como: Os bairros de Passarinho (Conjunto Residencial Passarinho); Alto  Sol Nascente e a comunidade da Mata do Ronca.  O Monte Berenguer conta com outras artérias que o levam a encontra-se com outras comunidades como: Águas Compridas, Santa Casa, Alto da Macaíba, Alto da Sucupira, Caixa D’Água e  Vila Nossa Senhora da Conceição, em Passarinho.  Estas de forma direta.

O MONTE BERENGUER

Quando os colonizadores portugueses chegaram a Pernambuco, toda essa região era uma gigantesca floresta, mais tarde, chamada de Mata Atlântica e dominada pelos índios do grupo Tupi-Guarani: os Tabajaras e os agressivos Caetés. Para se ter uma ideia, a Mata Atlântica abrangia 1.315.000 quilômetros quadrados, aproximadamente 15% do território brasileiro, do Piauí ao Rio Grande do Sul pelo litoral do país. Atualmente, bastante fragmentada, possui apenas 7% de sua cobertura original.
Jerônimo de Albuquerque

Quando Duarte Coelho chegou na Nova Lusitânia ( Pernambuco) em 1535, para governar a Capitânia Hereditária, uma das primeiras providências foi povoar as terras da capitânia, para isso, combateu os índios expulsando-o de suas terras. Concretizado o fato, Duarte Coelho começou a doar  terras aos nobres portugueses que o acompanharam na viagem. Jerônimo de Albuquerque, que era cunhado de Duarte Coelho,  que era casado com Brites de Albuquerque. Ganhou vasta extensão de terras em Serinhaém; em Olinda, nas terras que hoje ficam os bairros  de Jardim Brasil e Peixinhos, onde  fundou o primeiro engenho de açúcar de Pernambuco, o Engenho Nossa Senhora da Ajuda em 1542; e Paratibe de Cima, que se estendia pelo futuro Monte Berenguer (no trecho que ficam atualmente o Conjunto Residencial Passarinho  e Alto da Bondade)  até o Riacho Lava-Tripa (atualmente Riacho Águas Compridas ou canal de Águas Compridas, no bairro de mesmo nome).  Já a parte que hoje fica uma fração da Mata do Ronca e o  Alto Sol Nascente, foi doado ao nobre português Bartolomeu Dias, em 1543, nessa gleba, Bartolomeu Dias ainda ficou com as terras que hoje ficam os bairros da Mirueira e de Santa Casa.


Portanto, Jerônimo de Albuquerque foi de fato e de direito, o primeiro dono destas terras do Alto da Bondade.  Assim que ele chegou a Pernambuco em 1535 e recebeu de Duarte Coelho (o primeiro governador de Pernambuco) suas terras, logo cuidou de desbravá-las. E numa dessas investidas, se defrontou com os índios tabajaras. No confronto, Jerônimo de Albuquerque levou uma flechada e perdeu um dos olhos. Fora de combate, ele foi capturado pelos tabajaras e levado para a aldeia como prisioneiro. Na aldeia, foi julgado e condenado à morte pelo cacique Uirá Ubi (Arco Verde), mas graças a intervenção da filha do cacique, a índia chamada de Tabira ou Tindarena, que  apaixonou-se perdidamente pelo prisioneiro e o quis como marido. Jerônimo, foi poupado, e casou-se com Tabira. O enlace selou a paz  entre os índios tabajaras e os colonizadores portugueses. Após o casamento católico, Tabira foi batizada e passou a se chamar Maria do Espírito Santo Arco Verde, tiveram oito filhos. Depois deste episódio, Jerônimo de Albuquerque recebeu o apelido de “o torto”.

As terras de Jerônimo de Albuquerque foram herdadas aos  seus descendentes, até que em 16 de março de 1692, um de seus descendentes, Miguel Leitão de Albuquerque vendeu as terras de Paratibe de Cima que se perdia de vista, englobando as terras do futuro Monte Berenguer até o Riacho Lava-Tripa (Águas Compridas) ao nobre português da Ilha da Madeira,  Coronel Francisco Berenguer de Andrade (o filho), irmão de D. Maria Cezar e cunhado de João Fernandes Vieira, um dos heróis da Insurreição Pernambucana  que expulsaram os holandeses em 1654. O Coronel  Francisco Berenguer de Andrade, era um homem muito rico e influente na alta sociedade olindense. Seu pai que tinha o mesmo nome e  era um rico senhor de engenho, pois era dono das terras de Afogados à Jaboatão Velho. Francisco Berenguer (o filho) era um grande encrenqueiro, chegou a ser inimigo até do donatário de Pernambuco, Dom Matias de Figueiredo Melo (1688-1689), indivíduo belicoso quanto reputado, tão solerte que se dava o desplante de escrever genealogias escabrosas das melhores famílias da terra. Francisco Berenguer  já fora, aliás, denunciado havia muito como mau homem e diabólico em fazer manifestos falsos, respondendo a nada menos de 62 processos, sem pagar nem restituir o alheio, considerado um verdadeiro perturbador da alta sociedade olindense, semeando nela mil cizânias.

Na verdade,  Jerônimo de Albuquerque, Bartolomeu Dias, Francisco Berenguer e todos os seus descendentes, proprietários das terras do Monte Berenguer, que em suas épocas, era uma densa e  inexplorável  floresta,  talvez nem tenham postos os pés por essas bandas. Para se ter uma ideia, até a primeira metade do século XIX, a Mata Atlântica já estava bastante fragmentada e o Monte Berenguer já não fazia mais parte da referida mata e sim, da Mata da Mirueira. A lei provincial Nº 83, de 4 de maio de 1840, que delimitava as terras pernambucanas e suas regiões, descreve que a Mata da Mirueira fazia limite com Igarassu, a freguesia de São Lourenço da Mata e Tracunhaém. Observe que apesar da fragmentação de nossas matas, podemos afirmar que a Mata da Mirueira ainda era imensa, se compararmos aos dias atuais. 
Marco Nº17 no Monte Berenguer (atual Alto da Bondade), onde hoje fica localizada a Igreja Metodista, em foto de 1960, publicado pela Revista Brasileira de Geografia, volume 24, de 1962.

O nome do Monte, foi herdado do Coronel Francisco Berenguer de Andrade, mas precisou de mais de 200 anos para se consolidar definitivamente como Monte Berenguer, com uma planície com mais de quatro quilômetros de extensão e com 70,73 metros de altitude, onde atualmente estão encravados os bairros do Alto da Bondade, Alto Sol Nascente, parte do bairro de Passarinho, que pertence ao município do Recife, onde encontramos  a comunidade do Conjunto Residencial Passarinho e fração da  Mata do Ronca e parte de sua comunidade rural, dividida entre os municípios de Recife e Paulista.  O Monte Berenguer está situado no extremo ocidental do município de Olinda, cerca de 8,5 quilômetros em linha reta distante do mar, correspondendo  à latitude da praia de Casa Caiada. A Revista Brasileira de Geografia de 1962, revelou que existia  um marco encravado no ponto mais alto do Monte Berenguer no terreno onde hoje fica localizada a Igreja Metodista, na esquina da Rua da Linha, com a 5ª Travessa da Rua da Linha. Este marco classificado de número 17, marcava a confusa e complexa trijunção  de limites territoriais entre os municípios de  Recife, Olinda e Paulista.


O Decreto-lei Nº 235 de 9 de dezembro de 1938, descreve: Limite de Paulista com Olinda- A partir da foz do Rio Doce no oceano, sobe por este que também é conhecido como Paratibe, até a foz do Riacho Fragoso até sua nascente, daí por uma linha reta para o ponto mais alto do Monte Berenguer. Limite de Paulista com Recife- A partir do ponto mais alto do Monte Berenguer, por uma linha reta para o foz do Riacho Patimirim ou Quatimirim no Rio Paratibe que também se chama Riacho das Minas, até o ponto em que uma linha 45° NO,  encontra-se com a extremidade da Chã do Pau Ferro.

Já o bairro de Passarinho que pertence ao município do Recife,  tem parte de seu território no Monte Berenguer onde fica o Conjunto Residencial Passarinho. Conforme a Lei Nº 16.293/97, que entrou em vigor no dia 3 de fevereiro de 1997 e foi sancionada pelo prefeito do Recife, Roberto Magalhães Melo. O bairro de Passarinho fica na Região Político-Administrativo (RPA-3) e Microrregião 3.3 e limita-se da seguinte forma: Começa no encontro do Rio Beberibe com a Rua Coronel Pilar, onde segue por esta cruzando a Avenida Hildelbrando de Vasconcelos e a Rua do Agave até a Rua Compositor Raul Valença; deflete à direita e segue por esta até alcançar a Avenida Chagas Ferreira; deflete à direita para atingir a Rua Engenheiro Célio Carali, onde deflete à direita e segue em direção ao Rio Morno, sobe este rio até encontrar a Avenida da Recuperação (BR 101- Norte), onde deflete a direita seguindo até a linha Recife-Paulista, situada entre os marcos 17 e 18, por esta linha imaginária segue em direção do Marco 17, localizado no Monte Berenguer (Alto da Bondade), onde deflete a direita , em direção ao Riacho das Moças ( Rio de Passarinho) para daí atingir o Rio Beberibe e chegar até a Rua Coronel Pilar, ponto inicial.
Hospital Colônia da Mirueira inaugurado em 1941. A partir da construção deste hospital e da Estrada da Mirueira, a região de Águas Compridas começou a ser povoada.

A Revista Brasileira de Geografia de 1962, ainda revela que a região de Mirueira é caracterizada por uma zona de chãs, de perto de 70 metros de altitude, outrora coberta de matas, ao longo da linha seca de divisa, entre Olinda e Paulista, do marco do Berenguer à nascente do Fragoso. Esta região começou a ser povoada com mais intensidade a partir de 1941, após a inauguração do Sanatório Padre Antônio Manuel- Hospital Colônia da Mirueira, o conhecido “hospital dos leprosos” e a abertura da Estrada da Mirueira, obras que começaram em 1936, e que ligaria às estradas  do Caenga e do Matumbo, em Beberibe. O Governo Federal de Getúlio Vargas,  a princípio, liberou 18:112$000 (dezoito contos, cento e doze mil réis) através da Ordem de Pagamento Nº 4.137, no montante total de 100:000$000 (cem contos de réis) para o início das obras e como parte do pagamento do terreno adquirido para a construção do hospital. Nessa época, existia na área que hoje fica o bairro de Águas Compridas, alguns sítios conhecidos,  como: o Sítio Arame, Outeiro do Caenga e Buraco de Afonso que pertenciam ao Dr. Theodulo Pio Valença; o Sítio Canhenga, de Vicente de Paula Gomes, Sítio Monitor, de Espólio de Francisco José Gomes; Propriedade Monitor,  pertencente ao sr. Mário Pinto, e outros mais. Em 1944, Águas Compridas já era um pequeno povoado com muitos alagados, estrada de terra precária e ainda com muitos sítios. Para ir ao centro do Recife, os moradores utilizavam velhos caminhões chamados de correções ou beliscadas, ou seguiam à pé até a Praça Nossa Senhora da Conceição (atual Praça da Convenção) para pegar o bonde. Outros moradores que íam para lugares mais próximo, utilizavam carroças de tração animal ou lombos de cavalos, burros e mulas. Os primeiros ônibus regulares só começaram a circular em Águas Compridas a partir de 1951. A Prefeitura do Recife abriu concessões de transporte coletivo para o local em 1948, que na ocasião, era considerado distrito de Beberibe, no entanto, nenhuma empresa se interessou por causa das péssimas condições da estrada. O Alto da Bondade antes de se  tornar um bairro, era uma comunidade pertencente a Águas Compridas.
A secular Rua da Linha é mais antiga do que o próprio bairro do Alto da Bondade. Foto: Jânio Odon.

ESTRADA DA LINHA

A Rua da Linha (antiga Estrada da Linha) tem 4 quilômetros de extensão, começa na Rua Bernardino de Melo, em Águas Compridas e termina na  BR 101- Norte, próximo a Boite Bariloche. Esta estrada ,  é muito mais antiga do que se parece, evidentemente que seu traçado tenha se modificado com o passar dos anos com a ocupação populacional e a destruição de nossas matas. No passado,  a Estrada da Linha servia de rota de aventureiros que vinham do povoado de Beberibe com destino a Paratibe e ao Riacho Cova de Onça (atual Rio do Pica-Pau), muito apreciado no passado e no presente.  A Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano de 1894, revela que na Estrada da Linha, neste Monte da Mata da Mirueira, existiam dois riachos: O  Beringué, chamado também de Roncador,  com 1 quilômetro de extensão que despejava no Riacho das Moças (atual Rio de Passarinho), próximo a propriedade Beringué; o outro era o Riacho Quimbuca, também chamado de Combucas, com 500 metros de extensão e que ia desembocar também no Riacho das Moças próximo a propriedade Quibuca. Esses dois riachos eram afluentes do Rio Beberibe, que nessa época,  era um rio de águas límpidas e navegável, o que tornava a Freguesia de Beberibe, um local de veraneio. Havia às margens do rio Beberibe muito verde e muitos sítios, com plantações de roças e criação de gado, mas a degradação de nossas matas já era intensa, balsas e barcos desciam rio abaixo em direção a Olinda com carregamentos de madeiras para o Porto da Madeira, motivo pelo qual ganhou esse nome; Forno da Cal (atual Peixinhos); Varadouro, próximo onde hoje fica o Mercado Eufrásio Barbosa,  antigamente existia ali um pequeno porto para pequenas embarcações.
Rio de Passarinho (antigo Riacho das Moças). Foto: Passarinhonet.blogspot

No passado, próximo ao Rio de Passarinho (antigo Riacho das Moças) existiam além das propriedades  Beringué e Quibuca, havia as propriedades:  Passarinho e Cafezeiros. Atualmente,  aonde ficavam estas propriedades, fica a Vila Nossa Senhora da Conceição. Com o desmatamento da mata da Mirueira, foi criada a Mata do Ronca, que recebeu esse nome por causa do extinto Riacho Roncador.
Os estudos feito pelo Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano em 1894, já denunciava a existência  de propriedades em torno do monte e  da Estrada da Linha desde a metade do século XIX, o que faz crer, que nessa época,  já existia aqui também,  a presença de pessoas por essas bandas, posseiros, ex-escravos e aventureiros.

Em 10 de junho de 1919, o governador de Pernambuco, Manoel Antônio Pereira Borba, sancionou a Lei Estadual Nº 1430, que delimitava as áreas dos municípios de Olinda e Recife onde fazia referência a Estrada da Linha da seguinte forma: ... buscando logar (= encontrar) passagem das Moças (rio Passarinho), na margem direita do Rio Beberibe, sobem, a partir deste ponto, o curso do Riacho Combucas até a Estrada da Linha, pela qual continuam até alcançar o marco divisório das propriedades Piaba e Jardim, próximo a margem do Rio Paratibe; ... 
Este trabalho visa resgatar o passado dessa região ocidental de Olinda, em especial, o Alto da Bondade, sem esquecer as comunidades que se formaram em torno do bairro ao  passar dos tempos.
À esquerda, a Rua Joaquim de Freitas, à direita, a Rua da Linha. Foi neste trecho onde surgiram as primeiras casas do bairro. Foto: Jânio Odon.

ALTO DA BONDADE

Na segunda metade dos anos 50, os poucos moradores do Alto da Bondade desciam a Rua da Linha em busca das correções (caminhões parecidos com os conhecidos paus-de-arara usados nas regiões do interior nordestino) ou as  beliscadas(caminhões fechados parecidos com o ônibus), outros seguiam à pé até Beberibe ou desciam até  Caixa D`Água por outros acessos. No passado, os antigos moradores do Alto da Bondade viveram anos difíceis: sem energia elétrica, sem água encanada, sem transporte, literalmente sem nada. Tempo do candeeiro, do fogão à lenha, do ferro de engomar à carvão, do cacimbão  ou até mesmo da lavagem da roupa no Rio Passarinho ou Beberibe. Era  o povo do Alto da Bondade que com muito suor, muita luta e sofrimento buscavam melhores dias.

Entre as décadas de 1950 a 1970, a comunidade do Alto da Bondade praticamente ficou isolada, sem qualquer investimento ou ações sociais do governo. O primeiro grande investimento do governo do Estado na comunidade foi a construção da Escola Capitão Luiz Reis em 1978, depois, já no final de 1980, o prefeito de Olinda, Germano Coelho pavimentou a subida da Rua da Linha com 200 metros de calçamento. A segunda etapa do calçamento que ía até as proximidades da Capela de Nossa Senhora da Bondade, só foi concluída em 1984, na gestão do prefeito José Arnaldo. A terceira etapa, que vai até a Vila Nossa Senhora da Conceição,  em Passarinho. Foi concretizada pela COHAB na metade dos anos de 1990. No que se refere a Rua da Linha, atualmente, dos 4 quilômetros de estrada, 2.200 estão asfaltados  e 1.800, sem asfalto, trecho que vai da Igreja Metodista até as proximidades da Boite Bariloche, na BR 101- Norte. 

Foi na década de 1980, que as instituições governamentais e religiosas começaram a intervir na comunidade, graças a intervenção das lideranças comunitárias do bairro e religiosos, é  que hoje temos: energia elétrica, água encanada, transporte público, sistema de comunicações,  pavimentação das ruas, muros de arrimos, creches etc. Evidentemente que não podemos ser hipócritas e  dizer que tudo estar às mil maravilhas, claro que não, muita coisa precisa ser feito e melhorado, mas não podemos deixar de reconhecer que pessoas como: Cícero Mendes, Pastor David Blackburn, Irmã Seráfica Browmüller, Jane Meneses Blackburn, Abel Eusébio, Nido Guabiraba e outros, muito contribuíram para a melhoria do bairro.  Nas próximas linhas,  vocês verão detalhadamente a história  por ordem cronológica os fatos que fizeram do Alto da Bondade um bairro. 

A SIREL (Sociedade de Imovéis e Representações Limitada) através do sr. José Pimentel em 23 de agosto de 1954, fez uma petição a Prefeitura Municipal de Olinda onde pretendia adquirir as terras do Monte Berenguer onde atualmente situa-se o Córrego da Bondade e o Alto da Bondade a partir da subida da ladeira, onde hoje fica a caixa d'água, a escola Capitão Luiz Reis e a área comercial que começa no armazém de construção do popular Manuel Palavada. Em menos de dois meses, em 11 de outubro, a propriedade teve o plano de parcelamento de Nº71 aprovado. Denominado de Propriedade Bondade, com 543 lotes e área de 601.764.00m². Uma outra parte da Propriedade Bondade não entrou em negociação nesta petição, sendo seu parcelamento de Nº243, aprovado pela prefeitura em 1º de outubro de 1965 em nome do sr. Elpídio Rodrigues dos Santos.
A história do povoado que se formou no Monte Berenguer  e que tornou-se o bairro do Alto da Bondade, começou a se concretizar a partir do ano de 1956, quando da chegada do sr. Cicero Mendes ao Monte Berenguer, sendo o segundo morador do Alto da Bondade. O primeiro morador, segundo ele, chamava-se Samuel, já falecido e que sua residência ficava às margens da Rua da Linha. Cicero Mendes, 80 anos,  é uma espécie de arquivo vivo do bairro, de posse de vários documentos, conta com detalhes, como se formou o atual bairro do Alto da Bondade. Conta ele, que veio do município de Passira-PE e que o Alto só tinha duas casas, contando com a dele, o resto era tudo mato.
Cícero Mendes veio de Passira-PE e é o morador mais antigo do Alto da Bondade, chegou aqui em 1956.

Cicero Mendes acrescenta que fundou a primeira associação de moradores,  o primeiro clube amador do bairro, a Associação Atlética Império da Bondade em 4 de outubro de 1974, conhecido depois por “Atlético Clube da Bondade”,  com sede em sua residência, na  Rua Joaquim de Freitas, Nº 77, onde reside há 57 anos. Salienta ainda, que  todos benefícios trazidos para a comunidade, contou com sua participação direta, e que foi o primeiro candidato a vereador do bairro, sendo candidato  em  1976, obtendo  607 votos, disputou pelo partido da Aliança Renovadora Nacional (ARENA) mas não foi eleito. Depois disputou mais sete eleições: cinco para vereador e duas para deputado estadual, mas nunca foi eleito.
Pastor Davi, da Igreja Metodista, foi um dos personagens mais querido e mais admirado pela comunidade do Alto da Bondade. Foto: Escola Municipal David Richard Blackburn.

Em 1968, chegava ao Recife o reverendo norte-americano,  David Richard Blackburn, conhecido popularmente no Alto da Bondade como “Pastor Davi”. Ele que era formado em sociologia pela Universidade da Califórnia-USA e era pastor da Igreja Discípulos de Cristo, dos Estados Unidos, e trabalhava em um projeto chamado “Operação Esperança” com o Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Helder Câmara. Ainda no Recife, conheceu Jane Menezes e se casaram. Eles se envolveram com a Igreja Metodista em 1980. O pastor Davi tornou-se pastor metodista em 1985, introduziu um trabalho social de suma importância nesta comunidade. Segundo o sr. Abel Eusébio, uma das lideranças da Igreja Católica do Alto da Bondade, ele e o pastor Davi por diversas vezes,  saíram em busca de melhoria para o bairro junto aos órgãos governamentais priorizando principalmente a pavimentação das ruas e a construção de  muros de arrimos.  Mas o grande feito do pastor Davi, foi a criação da Creche Gente Nova em 1987, sob administração da Igreja Metodista do Alto da Bondade. Atualmente, a creche atende a 92 crianças carentes, mas está sendo ampliada para atender a 200 crianças. A esposa do pastor Davi, Jane Menezes Blackburn, tornou-se a primeira diaconisa de origem nordestina da Igreja metodista, sendo consagrada em 18 de setembro de 1988, pelo Bispo Paulo Ayres Mattos.  Em 1992, o Pastor Davi faleceu vitima de um choque elétrico proveniente de um fio da rede elétrica que partiu e atingiu a sua Kombi e causou o sinistro no Centro do Recife, ocasionando  grande comoção na comunidade. O fato é que, o pastor Davi era uma pessoa  tão importante e tão querida na comunidade, que a escola municipal de Olinda, construída na Avenida Hamurabi, no Alto da Bondade recebeu seu nome, e a  rua (avenida) também,  é chamada por todos, como a Rua do Pastor Davi.

Já o Diário Oficial de Pernambuco de 10 de novembro de 1970, registra a convocação de uma moradora por nome de Margarida M. C, solteira, que se encontrava foragida por cometer furto  a comparecer a uma audiência no dia 25 de novembro deste ano, no Fórum Paula Batista, na Rua do Imperador, Recife, no 2º andar, às 15 horas, na 28ª Vara Criminal da Comarca do Recife, perante ao Sr. Juiz de Direito, Onevaldo Fernandes Maia. Este foi o primeiro fato delituoso praticado por um morador da comunidade publicado oficialmente em um veículo de comunicação do Estado.

Não sei ainda ao certo a data exata de quando chegou energia elétrica no Alto da Bondade, mais encontrei no jornal "Diário da Manhã" de 10 de junho de 1972, uma nota da Celpe informando sobre interrupção no fornecimento de energia elétrica em vários bairros da RMR, inclusive na região de Beberibe, pela qual o Alto da Bondade fazia parte. A nota dizia o seguinte: A Celpe aos seus consumidores que será interrompido no próximo domingo, 11 do corrente, nos locais e hora a seguir mencionados, o fornecimento de energia elétrica  com o fim de trabalhar na conservação e melhoramento da rede de distribuição nos municípios  de Recife e Olinda...Beberibe de 06 às 12...Estrada de Águas Compridas, Rua 12 de Dezembro, Rua Bernardino de Melo, Estrada da Bondade, Sitio da Bondade, Alto da Bondade... Na ocasião, o Prefeito de Olinda era Ubiratan de Castro e o Governador de Pernambuco era Eraldo Gueiros (1971 a 1975).   

Até o final da década de 1970, o Alto da Bondade contava com quatro campos de futebol: O Campo do Pernambuco, que ficava onde hoje fica a Escola Capitão Luiz Reis; o Campo do Careca e o Campo do Atlântico, que ficavam  também próximo  à escola; e o tradicional Campo do Atlético, que funcionava a princípio na entrada da 5ª Travessa da Linha com o terreno onde hoje fica a Igreja Metodista. Depois o campo passou a ser onde hoje fica a caixa d’água do Conjunto Residencial Passarinho com a  Rua das Rosas, este campo funcionou até 1988. O terreno foi adquirido pela COHAB em 1986 no governo de Miguel Arraes de Alencar.
A Ponte Preta do Alto da Bondade em 1975, no Campo do Atlético. Em pé, da esquerda para direita: Marcos, Pêta, Luiz Carlos, Doca, Paulo Arapinha e o goleiro Zé Preto; (agachados): Gilson, Carlinhos de Danda, Iná, Paulo Zé Mendes e Cal. Foto: Arquivo de Doca.

Depois da fundação do Atlético do Alto da Bondade em 1974, surgiram muitos outros clubes de peladeiros na comunidade, entre eles,  o tradicional Comercial do Sr. Nelson Carneiro, o grande rival do Atlético do Sr. Cícero Mendes. Esses dois clubes amadores faziam os grandes e tradicionais duelos de futebol do Alto da Bondade. Depois, surgiram muitos outros, como: o Reunidos, de Milton e Mário Azedo que vieram do bairro de Santo Amaro; a Ponte Preta; o Guarani, do Sr. João; o Verona, o São Paulo, o Flamengo, o Atlântico, o Força Jovem
"Seu Biu do Cinema", sem camisa e dentro de seu cinema particular, sendo entrevistado por um repórter. Ele trouxe o cinema ao Alto da Bondade. Foto: Arquivo de José Marcos  

Segundo o Sr. Natal, filho do  Sr. Severino Joaquim Gonçalves, conhecido popularmente como “Seu Biu do Cinema”,  veio morar no Alto da Bondade com a família, provavelmente em 1976, já que o Sr. Natal afirma que já faz 37 anos que reside aqui. Seu Biu, trouxe consigo uma grande paixão, o cinema,  desde o tempo em que morava no Alto Santa Terezinha,  Região Norte do Recife. O fato é que Seu Biu instalou seu cinema em sua residência, na Rua da Linha, Nº 1067, Alto da Bondade, onde hoje fica a Pizzaria Opção. Em 1983, o Cinema Glória, na Rua Direita, próximo ao Mercado de São José, no Centro do Recife, tornou-se Patrimônio Histórico do Recife.  Sendo restaurado e teve suas cadeiras de madeira substituídas por outras novas. Seu Biu,  apesar das dificuldades financeira e com uma família numerosa, a paixão pela sétima arte falou mais alto e ele comprou as velhas cadeiras de madeira do Cinema Glória.  O cinema de Seu Biu fez a alegria de jovens, adultos e crianças por quase duas décadas, quando no final dos anos 90, ele veio a falecer para a tristeza de todos.
Escola Capitão Luiz Reis, inaugurado em março de 1978. Foto: Google.

O Diário Oficial de Pernambuco de 15 de março de 1979, publica o Decreto Nº 5704, sancionada pelo então governador de Pernambuco, José Francisco de Moura Cavalcanti, criando treze unidades de ensino na capital e no interior, entre elas, a Escola Capitão Luiz Reis, do Alto da Bondade, salientando que apesar da publicação ter acontecido em 1979, a Escola Capitão Luiz Reis já havia sido inaugurada desde março de 1978.

No dia 17 de setembro de 1979, era fundado na Rua Mário Gonçalves de Medeiros, 425, no Alto da Bondade pela Associação Franciscana Maristella do Brasil (AFMB), o Centro Educativo Monte Valverne (CEMA), o chamado “Colégio das Freiras”. No início das atividades do Centro Educativo, por longos anos, a direção sempre era composta por freiras, entre elas, a fundadora e primeira diretora, a freira alemã, Irmã Seráfica Browmüller, que ainda é viva e reside na Alemanha. O CEMA é uma instituição filantrópica sem fins lucrativo, de caráter beneficente, educativo, cultural e de assistência social. O CEMA atualmente, conta com  215 alunos e uma creche com 50 crianças com idade entre 4 meses a 3 anos.
Fundadora e primeira diretora do conhecido Colégio das Freiras do Alto da Bondade. A freira alemã Seráfica Browmüller. Foto: CEMA.


Parte interna do Centro Educativo Monte Valverne (CEMA). Foto: Jânio Odon.

Em 1980, as comunidades do Alto da Bondade e Alto Sol Nascente através da sua antiga Associação de Moradores presidida pelo sr. Cícero Mendes, fez um grande abaixo-assinado para a EMTU, solicitando transporte coletivo para a população destas comunidades. Entretanto, no dia 23 de dezembro de 1980, o Gerente de Planejamento e Comunicação Social da EMTU, Luís Carvalheira de Mendonça, enviou para a Associação de Moradores,  uma triste notícia para essas duas comunidades, através da Carta EMTU/GPC Nº 201/80, informando sobre a impossibilidade de atender ao pleito. Luís Carvalheira declarou que por falta de pavimentação as duas comunidades iriam ficar sem ônibus. Em relação ao Alto da Bondade, alegou,  que os ônibus não poderiam subir a Rua da Linha porque só havia sido asfaltado apenas 200 metros da referida via pelo prefeito Germano Coelho. Como se sabe, o calçamento só foi concluído em 1984, na gestão do prefeito José Arnaldo, até próximo onde fica hoje,  a Capela de Nossa Senhora da Bondade.

Foi na década de 1980, que o posto de saúde e o telefone público foram implantados no Alto da Bondade, no entanto,  ainda não dispomos de dados precisos relativos as datas. Segundo depoimentos de alguns moradores mais antigos, a energia elétrica chegou ao Alto em 1984, na gestão do Prefeito de Olinda, José Arnaldo (1983-1988). Já o Posto de Saúde que fica ao lado da Capela de Nossa Senhora da Bondade teria sido construído em 1988. No local, havia uma vacaria que pertencia ao Sr. Pedrosa, que é comerciante e que mora bem em frente ao posto de saúde. Em relação ao primeiro telefone público instalado, também foi em 1988. Há um apelo publicado no Diário Oficial de Pernambuco de 24 de outubro de 1987, feito na Assembléia Legislativa de Pernambuco, proferido pelo então Deputado Estadual, Manoel Ferreira, solicitando a Companhia de Telecomunicações de Pernambuco (TELPE) a instalação imediata de um telefone, tipo: “Orelhão” nesta localidade. Sabe-se na verdade, que o primeiro telefone público foi instalado em frente ao Armazém Vitória, do popular “Manuel Palavada” e que depois foi transferido para o Posto de Saúde, ao lado da Capela de Nossa Senhora da Bondade.
A Assembléia de Deus, Bondade I, foi a primeira igreja erguida no Alto da Bondade. Foto: Jânio Odon.

A inauguração da Assembléia de Deus contou com a ilustre presença do Presidente Geral das AD, Pastor José Leôncio da Silva.

No dia 14 de novembro de 1982, era inaugurada a Igreja Assembléia de Deus, Bondade I,  na Rua da Linha, Alto da Bondade, pelo Pastor Presidente das Igrejas da Assembléia de Deus em Pernambuco, José Leôncio da Silva. Foi  a primeira igreja  erguida no Alto da Bondade, sendo Lamartine Alves da Cunha, o primeiro pastor da referida igreja. Já o Pastor Leôncio que assumiu a presidência geral das AD de 1977 a 1998. Tomou posse  após a morte do Pastor José Amaro da Silva, que iniciou a construção do Templo Central, na Avenida Cruz Cabugá. Pastor Leôncio  ficou conhecido no meio evangélico, como o pastor que permitiu a aproximação de pastores de outras denominações em suas igrejas, como Batistas e Adventistas,  em causas sociais ou pedagógicas. Foi ele também, que concluiu as obras do Templo Central. Mas o fato mais marcante, foi a cisão da Assembléia de Deus provocada pelo Pastor Isaac Martins que não aceitou o Pastor Leôncio, que foi eleito por aclamação, como Presidente Geral. Com esse racha, o Pastor Isaac Martins fundou a Assembléia de Deus, Ministério de  Abreu e Lima. O Pastor José Leôncio faleceu de parada respiratória e cardíaca,  no dia 8 de junho de 2002. Hoje o Alto da Bondade conta com mais de uma dezena de igrejas evangélicas das mais diferentes denominações.

A Amapá foi a primeira empresa de ônibus a circular no Alto da Bondade (1984). Foto: Diário de Pernambuco.

No dia 1º de março de 1984, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) cria através da Portaria Nº 9039/84 a linha de ônibus R- 843- Águas Compridas, via Alto da Bondade,  efetuada pela Empresa Amapá. Sendo a primeira linha de ônibus a circular no Alto da Bondade. Publicado no Diário Oficial de Pernambuco, em 24 de março de 1984.

No dia 9 de março de 1985, é inaugurado o Clube de Mães do Alto da Bondade, tendo seu estatuto sido publicado no Diário Oficial de Pernambuco de 6 de agosto de 1987.
Em 1986, o abastecimento d`água chegava ao Alto da Bondade. Foto: Jânio Odon.

Através do Diário Oficial de Pernambuco datado de  11 de outubro de 1986, o engenheiro José Chaves, secretário de saneamento, obras e meio ambiente, anuncia o funcionamento do Sistema Botafogo que beneficia toda região de Águas Compridas e leva água encanada para o Alto da Bondade e que começou a ser testado em 13 de outubro de 1986, numa segunda-feira. Obra realizada pelo Governo do Estado, na gestão de Gustavo Krause.
Em 1987, a comunidade do Alto da Bondade ganhava sua linha exclusiva de ônibus. Foto: Jânio Odon.

O Diário Oficial de Pernambuco de 8 de janeiro de 1987, publicou a criação da primeira linha de ônibus exclusiva do Alto da Bondade. Entrava  em operação a linha R-843 Alto da Bondade, executada pela Empresa Machado  e depois, pela Empresa Caxangá, com destino ao centro do Recife que durou 26 anos, até a criação do Terminal Integrado de Passageiros de Xambá, inaugurado em 15 de agosto de 2013, pelo Governador de Pernambuco, Eduardo Campos, mais que só começou a operar no dia 17 (sábado).
Em 1988, inauguração da Capela de Nossa Senhora da Bondade, Dom Helder celebrou a primeira missa. Foto: Arquivo Irmã Maria Gorete.
A nova igreja de Nossa Senhora da Bondade (2013) Foto: Jânio Odon.

No dia 28 de fevereiro de 1988, era inaugurada a Capela do Alto da Bondade, sob a denominação de Nossa Senhora da Bondade. A inauguração contou com a presença marcante do ex-Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Helder Câmara. Dom Helder foi uma das personalidades religiosa mais importante de Pernambuco. Foi grande defensor das causas sociais, dos direitos humanos e da pobreza. Conhecido como “Pai dos pobres”, foi também, grande opositor da Ditadura Militar de 1964, que o chamavam de comunista e de arcebispo vermelho. Durante esse período teve sua residência no Palácio dos Manguinhos metralhada e sofreu um grande golpe com o assassinato de seu secretário, Padre Henrique em 1969. Ele nasceu em Fortaleza, tornou-se Arcebispo de Olinda e Recife de 1964 à 1985. Faleceu aos 90 anos, no Recife, em 27 de agosto de 1999.

No dia 18 de fevereiro de 1989, foi fundada a Associação de Moradores do Alto da Bondade (AMAB), tendo como sua primeira presidente a Srª Maria Anunciada Barbosa Reis. Publicado no Diário Oficial de Pernambuco em 16 de setembro de 1989.

No dia 26 de julho de 1990, através da Resolução Nº 017/90, assinada pelo presidente do Conselho Metropolitano de Transportes Urbanos, Wilson Campos. Foi criada a linha de ônibus 840- Alto da Bondade/ Encruzilhada, operada pela Empresa Caxangá, que passou a circular no dia 1º de agosto. O terminal a princípio ficava na Rua da Linha, próximo a Capela de Nossa Senhora da Bondade. Com o tempo, o terminal passou a funcionar próximo ao Conjunto Residencial Passarinho, próximo a Rua Lírios do Vale,  depois funcionou na Praça da Vila Nossa Senhora da Conceição e finalmente no Terminal Rodoviário de Passarinho, que foi inaugurado pelo governador Eduardo Campos, em 1º de dezembro de 2008, com recursos do Prómetropole e custou R$ 1.261.921,65.  Mas tarde, a linha 840, foi estendida até o Terminal Integrado Joana Bezerra. A criação da linha 840  foi publicado  no Diário Oficial de Pernambuco, em 4 de agosto de 1990.
Pátio interno da Escola Municipal David Richard Blackburn. Foto: Jânio Odon.

No dia 11 de março de 1994, foi inaugurada a Escola Municipal de 1ºGrau Pastor David Richard Blackburn, na Avenida Hamurabi, Alto da Bondade,  com 22 salas e 800 alunos matriculados.
O Alto da Bondade visto da Rua Mário Gonçalves de Medeiros. Foto: Jânio Odon.

A gestão da Prefeita de Olinda, Luciana Santos em seus dois mandatos (2000 a 2004 e 2004 a 2008) teve sua importância para o Alto da Bondade. Em 2001, baseado em estudos publicados pelo IBGE, no Censo de 2000, trabalhado pela Secretaria de Planejamento, Transporte e Meio Ambiente que elaborou também,  o Plano Diretor de Olinda e criou o novo zoneamento do município, criando as Regiões Político  Administrativas (RPAs) e classificando o Alto da Bondade na RPA-1.  Até 2004, já havia entregue a comunidade 130 obras, em sua maioria obras de contenção de barreiras, com muros de arrimos, drenagem e corrimãos em escadarias. Em 24 de março de 2007, inaugurou as novas instalações da Defesa Civil na Rua da Linha, esquina com a Rua Londres.

No dia 21 de março de 2001, surge, o Centro Social Polivalente do Alto da Bondade, presidido por Wellington Francisco Guabiraba,  para atendimento a  comunidade.

O último censo do IBGE (2010) revelou que a população do bairro do Alto da Bondade é de 8.502 habitantes, sendo 4.164 homens e 4.338 mulheres. Entre 2008 a 2010, nasceram no bairro, 324 bebês vivos. Morreram 47 homens e 38 mulheres, destas, 6 pessoas morreram em acidente de trânsito e 12 pessoas foram assassinadas.

No dia 9 de dezembro de 2011, a Caixa Econômica Federal liberou R$ 170.617.411,64, para o prefeito de Olinda, Renildo Calheiros, verba proveniente do PAC-2 para serem investidos em obras de urbanização no município. Sendo R$ 4 milhões de reais, destinados em obras de contenção de encostas, proteção superficial e urbanização de áreas nos morros do Alto da Bondade, Águas Compridas, Alto da Conquista, Alto Sol Nascente e Cidade de Tabajara. Algumas ruas do Alto da Bondade já foram calçadas com o dinheiro do PAC-2, são elas: José Guerra, Capitão Luiz Reis, Manoel, São Sebastião, José Ferreira da Silva, Combinação, São José, Joaquim de Freitas, Bruxelas e Berna. Em agosto de 2012, a  Rua da Linha recebeu revestimento asfáltico sobre o calçamento de paralelepípedo.
Nido Guabiraba, o primeiro vereador do Alto da Bondade.

Em 7 de outubro de 2012, o ex-estivador ,  Nido Guabiraba,  torna-se o primeiro morador do bairro a eleger-se vereador de Olinda após 20 anos de tentativas. Nido Guabiraba foi eleito, com 3.697 votos.

Em 15 de agosto de 2013, foi inaugurado no bairro de São Benedito, na Rua Dunas, esquina com a Avenida Presidente Kennedy, pelo Governador Eduardo Campos,  o Terminal Integrado Xambá, mas que só entrou em operação no dia 17 de agosto. A comunidade do Alto da Bondade passou a contar com as linhas: 843- Alto da Bondade e 895- Alto Sol Nascente executada pela Empresa Caxangá e a linha 894- Alto Sucupira, operada pela empresa STCM (Sistema de Transporte Complementar  Municipal) que serve também a comunidade do Alto da Macaíba. 

No dia 28 de setembro de 2015, através do projeto de lei Nº 51/2015, do vereador Ivanildo Francisco Guabiraba (o Nido Guabiraba) a Travessa da Rua da Linha, no Alto da Bondade, passou a se chamar Travessa Alcenir Marques da Silva, começando do nº 1240, próximo a Casa da Benção até o nº 1287, próximo a Mascote Rações.


SE VOCÊ É MORADOR DO ALTO DA BONDADE E TEM FOTOS ANTIGAS DO BAIRRO E QUER DIVULGÁ-LAS NESTE BLOG, ENVIE PARA O EMAIL: janioalencar63@gmail.com As fotos serão analisadas antes de serem publicadas. Valorize nosso bairro. 


ALTO DA BONDADE EM FOCO:

Foto de 1982 tirada no Campo do Atlético. Membros da equipe do Atlético do Alto da Bondade. Da esq./dir. : Marcos, Fernando, Veca e Macaé. Foto: Arquivo de Marcos.


Rua Andorinha e a caixa d'água do Conjunto Residencial Passarinho, local onde ficava o Campo do Atlético. Foto: Leia Já.


28/2/1988- Dom Helder Câmara se preparando para cortar a fita solene de inauguração da Capela de Nossa Senhora da Bondade, na Rua da Linha. Foto: Arquivo da Irmã Maria Gorete.

Defesa Civil de Olinda implantada na gestão da prefeita Luciana Santos em 2007, na Rua da Linha, esquina com a Rua Londres. Neste prédio funcionava o Mercadinho Canarinho. Foto: Google.
Associação de Moradores do Alto da Bondade (AMAB) Foto: Google.


Panorama geral da Escola Estadual Capitão Luiz Reis que foi inaugurada em março de 1978. Foto: Jânio Odon/2013.


Posto Médico Municipal do Alto da Bondade, hoje, NASF- Núcleo de Atendimento da Saúde da Família. Foto: Jânio Odon/2013.


Centro Educativo Monte Valverne (CEMA), o conhecido "Colégio das Freiras", inaugurado em setembro de 1979. Foto: Google


Parte interna do CEMA. Foto: Jânio Odon/2013.


Rua São José, que dar acesso ao Alto da Macaíba e o Alto da Sucupira. Foto: Jânio Odon/2013.

Vista da escadaria da Rua São José, encostas do Alto da Bondade e uma visão do bairro de Águas Compridas. Foto: Jânio Odon/2013.

Alto da Bondade visto do Alto da Conquista. Foto: Alcione Ferreira/DP.

A secular Rua da Linha e trecho de seus 2.200 metros de área pavimentada. Foto:Jânio Odon/2013.

Trecho dos 1.800 metros da Rua da Linha que ainda não foi asfaltada. Foto: Jânio Odon/2012

* Atualizado em 30 de julho de 2016
Fonte: *Dicionário Corográfico, Histórico e Estatístico de Pernambuco, pág. 449, ano: 1908, Sebastião de Vasconcellos Galvão;
*Olinda: Evolução Urbana, Pág. 49, ano: 1990, Ferdinando A.F. Novaes;
*A Fronda dos Mazombos: nobres contra mascates, Pernambuco, 1666-1715, pág.135, ano: 2003, Evaldo Cabral de Mello;
*Diário Oficial de Pernambuco;
*Revista Brasileira de Geografia, Volume 24, pág.448; biênio 1960-61, João de Melo Moraes;
*Revista do Instituto Arqueológico e Geográfico Pernambucano, pág.323, ano: 1894

Agradecimentos as pessoas do Alto da Bondade que muito contribuíram para que este trabalho se realizasse da melhor forma possível :
Cicero Mendes da Costa
Suely Soares
Maria Gorete Rodrigues Oliveira (Irmã Gorete)
Joel  Galdêncio  Gerôncio  Filho (Doca).
José Marcos Gonçalves (Marcos)
Zeni (CEMA)
Whales Cavalcante de Albuquerque (Lala)

Por: Jânio Odon/Blog Vozes da Zona Norte (DIREITOS RESERVADOS).











15 comentários:

  1. A ESCOLA CAPITAO LUIZ REIS A EX DIRETORA CELIA E UMA LADRONA QUE ESTA ROUBANDO O ESTADO E A GRE NAO SE DA CONTA DISSO TOME PROVIDENCIA FORA LADRA SAFADA

    ResponderExcluir
  2. Está faltando o primeiro armazém de construção do alto da bondade de Sr. Manoel Bezerra mas conhecido como Sr. Mané Palavada .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade. esquecerão desse detalhes.

      Excluir
  3. A divisão entre recife, Olinda e paulista encontra-se asfaltada nas trés prefeitura de PERNAMBUCO que é de fato uma vergonha publica.
    POR VISTA DOS MORADORES DO ALTO DA BONDADE.
    OBS: as seguinte rua que consta nas prefeitura de OLINDA, RECIFE E PAULISTA não estão calçadas temos provas vivas sobre essa denuncia que sofre o povo do bairro: ALTO DA BONDADE E ALTO SOL NASCENTE.
    PROXIMO: a igreja metodista e creche gente nova.

    ResponderExcluir
  4. Legal 👍 gostei da historia parabéns.

    ResponderExcluir
  5. falta comentar sobre o Grande Contador, o Sr Leonardo Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Leonardo Pedro, meu email está aí em cima, conte sua história, mande fotos antigas, se tiver. Vamos analisar,se for de interesse coletivo, será acrescido no texto. Um abraço.

      Excluir
  6. Simplesmente amei esse blogue
    Desde já quero parabenizar o dono pois contou algo que era de meu interesse... moro no bairro de Dois Unidos mais tenho família em Passarinhos e Alto da Bondade e já morei em águas compridas tbm mais sempre tive a curiosidade de conhecer a história desses bairros que simplesmente ninguém do local sabe contar muita coisa. . Simplesmente estais de parabéns .... cara fiquei apaixonado pelo blog... amo história e principalmente da minha terra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meus agradecimentos a Katherine Santos e Douglas Bessa pelos elogios. Continuo pesquisando, breve terá mais novidades.

      Excluir
  7. Parabéns Jânio pelo belo trabalho.

    ResponderExcluir
  8. Maria das Graças Barbosa Peixoto25 de março de 2017 12:30

    Como uma das primeiras moradoras desse bairro, cheguei aqui com apenas 1 ano e meio e só havia tr~es casas e uma mercearia do seu Henrique e existia o campo onde hoje é o centro do Alto da Bondade. Passei toda a minha infância aqui e vivo até hoje e sinto muitas saudades... Se pudesse voltava o tempo atrás. Belo trabalho Jânio.

    ResponderExcluir
  9. Meus agradecimentos a Elianai Muniz e a Srª Maria das Graças pela participação. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. Faltou deixa uma homenagem para o senhor Cícero Mendes da Costa q faleceu em 2016 pois poderia o nome da rua q ele foi o primeiro morado da rua Joaquim de Freitas,para um novo nome como rua Cícero Mendes

    ResponderExcluir